O que é Brainstorming6 minutos de leitura

O que é Brainstorming? É uma técnica que consiste através do compartilhamento espontâneo de ideias, busca encontrar soluções para diferentes desafios que as pessoas possam ter em seus dias, tanto no contexto pessoal quanto no profissional nas organizações. Essa técnica visa explorar e potencializar a criatividade de um indivíduo, sem restrições e com muita abertura para propor ideias e gerar insights criativos.

Algo bem interessante nessa técnica é que a gente consegue explorar mais a ideia que o Napoleon Hill, um escritor estadunidense influente na área de realização pessoal, traz em um de seus livros, “Quem pensa enriquece”, que é a ideia onde “1+1=3”.

Essa matemática pode parecer um pouco diferente para aquelas pessoas que são amantes ou entendem minimamente sobre os números e suas somas, não é mesmo? A ideia tanto dessa técnica de Brainstorming quanto a que o Napoleon Hill traz é de maneira filosofia onde diz que uma ideia somada a outra ideia, não se anula, mas que se somam e se tornam uma ideia melhorada.

Vale também o dilatado:

Duas cabeças pensam melhor do que uma.

Quem criou a técnica de Brainstorming

Alex Faickney Osborn foi um profissional do ramo de Publicidade e um estudioso do pensamento criativo. Entre seus trabalhos mais famosos estão comerciais escritos para marcas como a General Electric e a Chrysler. Autor de vários livros sobre o desenvolvimento da criatividade publicitária (como “O Poder Criador da Mente”), Alex ficou foi mais reconhecido através da obra “How to Think Up”, lançada em 1942. No livro, Osborn traz a público pela primeira vez o termo “brainstorming”, mudando a compreensão por completo do que tínhamos até então sobre a criatividade e de como desenvolver, além de incentivar pessoas a pensarem de maneiras mais criativas.

Para o que serve o Brainstorming

Essa é uma técnica que pode se encaixar perfeitamente para você que está participando agora de um Hackathon, que está buscando desenvolver um produto e num geral, para você que está buscando resolver alguma dor de mercado de maneira criativa. Você já sabe que o brainstorming é utilizado para estimular pensamentos criativos e que gerem inovações para a resolução de problemas ou para a definição de estratégias. No entanto, essencialmente falando, qual é o real propósito dessa técnica?

De acordo com a teoria do pensamento criativo, que para a sua construção contém alguns passos como, preparação, incubação, iluminação e implementação/verificação, nos mostra que a melhor forma de chegar a uma ideia “brilhante” é ter muitas ideias. Provavelmente você já ouviu pessoas dizendo frases como:

  • Quando a gente tem um, a gente não tem nenhum.
  • O investimento de risco se paga quando um investimento rende.

Essas duas frases conseguem exemplificar bem essa ideia de que para se ter de fato uma ideia “brilhante” precisamos ter mais de uma. Esse é um processo de muitas tentativas e erros. Quando comentei acima sobre as quatro fases da teoria do pensamento criativo:

  • Preparação
  • Incubação
  • Iluminação
  • Implementação/verificação

Quis trazer a ideia de que por mais que exista uma técnica como o Brainstoming para a criação de novas ideias e insights para a resolução de problemas/dores e desenvolvimentos estratégicos, precisam ser bem avaliados para que possam ter forças em suas aplicações.

A preparação

A preparação de momento criativo para o Brainstoming precisa ter um foco de onde a equipe/time desejam chegar, qual é o público alvo, entre outros pontos. Essa é uma fase para a equipe ou a própria pessoa assimilar qual sentido no caminho deve ser percorrido para a estruturação da ideia principal.

Na preparação, é responsável informar o time ou preparar a própria pessoa que aplicará essa técnica com a maior e melhor qualidade de informações possíveis, pois assim, essa etapa terá um êxito com mais assertividade, além compreensão sobre o desafio a ser superado.

A incubação

A fase de incubação é o contrário da primeira, sendo uma fase mais insconciente, em que todas as informações que foram compartilhadas no início da aplicação da técnica possam ser trabalhadas de maneira independente no cérebro. Essa é uma fase onde todo o processo de “digestão” dessas informações acontecem de maneira bem leve através das reflexões e insights que possam ser gerados. Por mais que seja estranho (ou não) permitir com que o cérebro assimile as informações sem a aplicação de nenhuma outra técnica ou ferramentas como mapas mentais, por exemplo, faz parte e uma parte essencial dessa segunda etapa.

A iluminação ou “Eureka”

É o momento de onde vem aquela ideia, o momento onde a gente transborda. É nessa fase que a ideia surge, justamente porque houve um estudo profundo sobre as informações e isso permitiu o trabalho inconsciente do cérebro.

Após essa etapa, os pensamentos começam ser mais conscientes e se tornam mais concretos/factíveis. Com o controle total sobre a atividade do cérebro, o criativo começa a pensar por conta própria no projeto e se estimula a encontrar soluções, com muito mais inspiração, devido toda a estruturação e abertura para os pensamentos inconscientes, “digestão” das informações e então o pensamento consciente. É nessa fase que as ideias vêm!

A implementação/verificação

A etapa de implementação/verificação é uma etapa super importante para que todo esse processo possa acontecer de maneira assertiva e com êxito na aplicação. Esse é o momento de colocar em prática o que foi pensado para o desafio proposto. Essa é uma das fases mais importantes para o momento da aplicação, além de ser uma das fases que mais se tem “controle” e medicação sobre os possíveis status de aplicação e KPIs.

Nesse momento o que existe é apenas uma boa ideia e nada mais. E como a gente bem sabe e a existem uma frase que exemplifica bem isso também é aquele

A bacia de ideias vale 10 centavos cada.

Num contexto de tantas informações, comunidades de aprendizagem, hoje quase não se fala mais na dificuldade de ter boas ideias, mas sim de como aplicar cada um deles para que tenham sucesso e geram bons resultados.

A última fase do processo criativo se resume em estender essa ideia para um foco no qual foi dado o início desse processo, sendo um produto, processo interno ou até uma nova estratégia, aplicando de forma que ela realmente gere um resultado dentro do que foi pensado. O Brainstorming, ferramenta para geração de ideias/insights atrelados a uma teoria sobre criatividade, pode ser um bom tempero para desenvolver boas soluções para os possíveis caminhos dentro da sua organização ou quem sabe até mesmo para a já tomada de decisão pessoal.

Sempre que você estiver precisando de boas ideias, leia esse blog post, aplique as técnicas e sem cruzar os dedos, tenha certeza que boas ideias surgiram daí.

Espero que você tenha gostado do blog de hoje e que tenha sido de muita valia para você.

Abraços e até mais!

Let’s Hack
Matheus Carvalho
Líder na Rio Sul Valley, Maker na ErreJota, Agente InovAtiva, Embaixador no Angel Investor Club, Community Manager no Hackathon Academy e Projects & Operations na Haze Shift.